quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Hoje não dá...

PS: Um pequeno desabafo

Não há nada mais massante na vida do que a rotina. Pricipalmente se o que está presente nela é aquele “engarrafamento nosso de cada dia”, acompanhado com um monte de “Tranca-rua”, os Kamicases de ônibus e motoqueiros com instintos assassinos.

Então, lá estou eu voltando para o meu lar-doce-lar, e, para tornar a hora do rush menos dolorosa, coloco o meu cd da Legião...e depois de 40 minutos (e eu ainda na linha vermelha), toca a música “Os Anjos”:

(trecho)
“Pegue duas medidas de estupidez
Junte trinta e quatro partes de mentira
Coloque tudo numa forma
Untada previamente
Com promessas não cumpridas
Adicione a seguir o ódio e a inveja
As dez colheres cheias de burrice
Mexa tudo e misture bem
E não se esqueça: antes de levar ao forno
Temperar com essência de espirito de porco,
Duas xícaras de indiferença
E um tablete e meio de preguiça”


E como sempre, começo a refletir sobre as palavras sempre sábias do Renato, e chego à conclusão que "o ser humano não foi feito do barro e muito menos da costela do Adão”, mas sim de tudo que existe de ruim; e que a bondade, honestidade, amor e respeito são alguns erros genéticos que se manifestam em muitas poucas pessoas pelo mundo afora.

Ok,ok...estou sendo estupidamente radical, mas me respondam: Pq se ouve falar muito mais em assassinatos, discórdia, escândalos, em gente se drogando, se matando, sendo assassinado, enganado, explorado? Pq é o que predomina no mundo....e as poucas coisas boas que acontecem, ninguém quer compartilhar por medo da ganância e da inveja alheia. Cada dia que passa percebo o quanto está complicado conviver com o ser humano, levamos cada rasteira....é uma pessoa tirando proveito da outra, enganando, extorquindo, se aproveitando da bondade de outras pessoas. Estamos nos isolando cada vez mais e nos tornando infelizes, pq não é isso que queremos;

Olha, é muito triste isso...e, apesar de ainda não ter acontecido algo tão sério assim comigo, sempre procuro ser a mais reservada possível e muito cuidadosa nas escolhas dos meus amigos e de como deve me relacionar com terceiros...mas isso cansa. E é por isso que tenho vontade fazer exatamente como o resto da música citada:

“Gostaria de não saber destes crimes atrozes
É todo dia agora e o que vamos fazer?
Quero voar p'ra bem longe mas hoje não dá
Não sei o que pensar e nem o que dizer
Só nos sobrou do amor
A falta que ficou.”


Obrigado aos meus amigos e familiares que tornam o mundo um lugar mais fácil de viver.

Bjs e inté!

5 comentários:

Juliana Aquino disse...

Sábias palavras amiga. Neste mundo tão superficial nada como pessoas de verdade e pessoas que amamos e nos amam! I love u,tá?!
Beijos!!!!

Alan DB disse...

Entendo a revolta... Mas cada vez mais percebo que estamos aqui pra aprender.
O ser humano não é feito nem de bondade, nem de maldade... Nem de um lado, nem de outro. Ele é feito de livre arbítrio. Ele escolhe o que vai ser. Claro, para uns a vida é mais difícil e parece que tudo os leva pra isso... Mesmo assim, a escolha ainda tá lá.
E é aí que mora a questão... Ser tudo isso que você e o Renato Russo citaram às vezes é muito mais fácil, mais cômodo, do que seguir pro outro lado... É mais fácil meter uma bala numa pessoa que te incomoda, que tem mais do que você, pra tirar o que ela tem, do que aprender a conviver... E lutar pra ser mais do que ela. É mais fácil se aproveitar de uma brecha deixando os outros pra trás do que seguir nosso próprio caminho, aquele em que nós andaremos mais devagar...
Enfim. É sempre o lado mais fácil...
Estou aprendendo muito sobre isso na minha vida. E, mais uma vez, vale dizer que parte disso só comecei a aprender depois que comecei a observar mais a vida. Principalmente depois que fui Bom Pastor... Mais uam vez, salve Simone e JuliOli!

Grazy Vedder disse...

Alan,

concordo com vc que existe o inferno do Livre arbítrio. Mas as pessoas tendem à fazer muito mais escolhas ruins do que boas.

E lhe garanto, as atitudes ruins, na maioria das vezes, são muito mais difíceis do que as boas.

No meu ponto de vista, é muito mais fácil ignorar uma pesso(mesmo com toda raiva do mundo no seu coração) do que dá um tiro na cara dela. E a pessoa que consegue dá um tiro como solução e sem excitar por um momento, é uma pessoa que tem a ruindade na sua essência, na sua natureza....e isso está muito além do livre arbítrio, pq é a nossa natureza que nos moves a fazer as escolhas, sejam elas boas, sejam elas ruins.

Alan DB disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alan DB disse...

Não concordo com serem mais difíceis... Acho que você diz isso porque realmente nunca sentiu raiva suficiente para causar um mal maior... (Eu tb não, graças a Deus) Ou nunca se sentiu na merda como as pessoas das quais estou falando. (Eu acho que estou chegando lá... hehehe no caminho... brincadeira) Quando digo que é mais fácil, não acho que seja fácil. Mas acho que é mais fácil seguir pra esse caminho, deixar-se levar, do que escolher mudar...
Cito um exemplo que você sempre cita... Brasília. Políticos em geral. Sabemos que o sistema político hoje em dia é algo muito corrompido. O cara que não segue o jogo segundo as regras estabelecidas, não consegue muito... E, no final, depois de entrado ali, o cara acaba se corrompendo. Você dizer que é mais difícil seguir as regras está partindo da sua consciência ética. Muitos, ao dar o primeiro passo em falso, devem se sentir mal, e devem dizer que é difícil... Mas aí eu te pergunto: é mais difícil dar o passo em falso ou seguir sendo ético e não conseguir nada? (não estou fazendo apologia... Pelo contrário. Eu sei que é uma merda. Ou o cara se corrompe ou se permite ser medíocre e fechar os olhos)
É aquilo... Pegar numa arma pra roubar ou eventualmente matar pode não ser fácil pra quem começa fazendo... Mas depois o cara vê que é mais fácil fazer isso do que levar a vida de fome, miséria e humilhação que ele tava levando. Acho que nada justifica tais atos, mas eu acredito que, nesses casos, sofrer na pele seria pra eles mais difícil do que causar sofrimento...
Bem, isso tudo pra justificar o que falei... Agora, sem dúvida, existem pessoas perturbadas, que podem fazer isso sem piedade. Parto do princípio das pessoas normais, que até exitariam em fazer mal a alguém... E falo também das nossas pequenas ruindades diárias, que às vezes podem ser prejudiciais ao extremo.