domingo, 22 de março de 2009

Paraíso

Quase todos os dias no trabalho (nos mais tranqüilos) vejo o trecho final da novela das 18 horas, porque tenho que esperar o RJTV... Acaba que acompanho algumas cenas e sei o que está se passando no horário.

Paraíso não é uma novela que me lembre... Tenho uma lembrança afetiva da música de abertura da primeira versão por ser anos 80. Quando ouvia, algo me remetia a tardes de infância... Não sei como, mas realmente me remetia a alguma novela. Embora não lembrasse de qual era, da história etc.

Antes do remake ser pensado, eu já tinha descoberto de onde era a música. Mas nunca imaginei que a novela em si pudesse ser refeita, porque não havia tanta repercussão.

Agora, com o remake, li um pouco do histórico dessa novela. Na época, ela foi feita para derrubar um programa do SBT, que falava de religião e dava muita audiência. Benedito Ruy Barbosa foi solicitado e logo mandou: para barrar a audiência, só fazendo o filho do Diabo em um romance com uma Santinha. Resultado: a novela acabou tendo um grande apêlo, por também mexer com a religião, e teve algum sucesso.

O fato é que, com as maravilhas da tecnologia, revi na semana passada o último capítulo da história. (Digo revi porque, nesses quase trinta anos, ela já deve ter passado em algum Videoshow, Vale a pena ver de novo...) Achei interessante poder rever essa cena. Independente dos rumos que a novela tomar e independente de achar bom ou ruim, acho que a cena final não será a mesma. Digo isso porque não haverá aquela música... E não haverá um peão dos anos 80 (em que outra época o peão usaria cabelo de surfista, camisa rosa e lenço azul?... ), uma noiva em fuga feita por uma atriz que era a cara da época, aquela música pontuando o reencontro e um texto final que, de certa forma, traz tolerância religiosa e a mensagem bem no estilo do autor.

Deixo aqui a nostalgia... E vejam que o Filho do Diabo termina com a Santinha (contei o final óbvio do filme...ehehe).



OBS: E o receio de falar de novela, por parecer "tema de mulherzinha" ou "uma arte menor", foi quebrado. hehehe

2 comentários:

Eu sou Pedro disse...

Muito bom, Alan... eu como pseudointelectual metido a artista sofredor (hehehe) nao assisto novela, mas qualquer desculpa para por um clipe do Juba a cavalo vestido como se tivesse indo para festa junina eh valida!

Alan DB disse...

hahahahaahahahahahahahaahahahah
Risadas servindo para os dois comentários... Sobre você e sobre o "Juba". Agora, eu estou realmente determinado a largar agora essa coisa de artista sofredor e me entregar ao mundo comercial... Já conversamos sobre isso. Viva a novela brasileira!