terça-feira, 21 de outubro de 2008

Paciência

Tá difícil acreditar na vida, né?

Ligue o som e questione comigo...




Será que dá pra entender o que se passa na cabeça de um jovem que se diz apaixonado e seqüestra a ex-namorada?
Será que dá pra entender o que se passa na cabeça dele quando puxa o gatilho?
Será que dá pra entender a cabeça de um homem que procura seu chefe e, por medo de perder o emprego e a segurança, dá um tiro na testa dele?
E quando esse chefe é um homem que o conhece desde pequeno?
Unido a tudo que vemos diariamente, será que dá pra saber o limite da violência humana?

Dá pra ter certeza que o político que vamos escolher será a melhor opção?
Dá pra ter certeza que o político que vamos escolher será a correspondência da esperança que temos?
Será que uma crise mundial não é um alerta da beira do abismo, do começo do fim?
E quanto seremos afetados por isso tudo?
Será que podemos pensar em futuro?

Será que devemos nos importar com água?
Será que devemos nos importar com ar?
Será que devemos nos importar com plantas?
Será que devemos nos importar com bichos?
Será que devemos nos importar com gente?
Será que devemos nos importar?

Será que devemos ajudar quem pede ajuda na rua, quando usam uma criança como álibi?
Será que a criança é mesmo um álibi?
Será que devemos ajudar quem pede ajuda na rua, quando vemos o problema?
Será que temos vergonha de ajudar uma pessoa na rua?
Será que devemos ajudar quem pede ajuda na rua?
Será que devemos ajudar quem pede ajuda?
Será que devemos nos ajudar?

Será que é besteira levantar bandeiras?
Qual o nosso limite para carregar essas bandeiras?
Será que teremos força? Mesmo quando vemos que, ao invés de multiplicar, os esforços aumentam e as pessoas diminuem?
Será que não devemos esperar por coletividade?
Será que devemos esperar alguma coisa do outro?
Será que não deveríamos deixar pra lá?

E quando será que o emprego que a gente espera vai chegar?
Quando será que a carreira que a gente espera vai chegar?
Será que vai chegar?
Será que vamos ter emprego amanhã?

Será que, nos dias de hoje, podemos esperar alguma coisa?
Será que devemos sonhar?
E será que, sonhando, não perdemos o tempo de realizar?
E se conseguirmos tudo, será que estaremos realmente realizados amanhã?

Será que temos tempo pra refletir?
Será que essas indagações são exclusivas?
Será que um dia teremos alguma resposta?
Será que teremos paciência pra encontrar as respostas?

"Eu sei, a vida não pára. A vida não pára não..."

Um comentário:

Juliana Aquino disse...

Amigo

o mundo gira muito rápido, as pessoas mudam todos os dias, os dias são estressantes, ninguém está satisfeito com nada, sempre há um motivo para reclamar ou quando não há se inventa, há muita negação por aí, como desde o início há pessoas boas e ruins, mas apesar de tudo isso - infelizmente há o "apesar de tudo isso" - eu ainda acredito na minha vida e ainda tenho paciência! ;o)

Beijinhossss